DESAFIO: Nomeie a 1ª missão estratosférica do Piauí.

A GSS participará no desenvolvimento da 1ª missão de nossa região destinada a estudar fenômenos ambientais presentes na estratosfera. O projeto será realizado e executado pelo Programa Cidade Olímpica Educacional – SEMEC e contará com parceria de muitas instituições públicas e privadas. E você tem a oportunidade de dar o nome a essa missão! Para isso, basta ler as regras e enviar sua proposta no formulário que se encontra na parte final desta página.

Regras:

1 – Envie o nome de sua missão estratosférica e um pequeno texto de no máximo 150 palavras, explicando as razões para o nome proposto.

2- Seu nome para a missão deve possuir apenas uma palavra e ser em português.

3 – Podem participar deste desafio alunos do ensino infantil (com orientação dos pais), ensino fundamental e ensino médio de escolas públicas e particulares do Brasil.

4 – Será considerado apenas uma proposta por aluno, se você enviar mais de uma proposta, será considerada a última a ser enviada.

5 – Serão excluídos do desafio propostas que incluam nomes de pessoas, nomes corporativos, palavras de marca registrada ou palavras de caráter ofensivo ou pejorativo.

CRITÉRIOS DE JULGAMENTO:

40 pontos: Adequação e significado do nome.

30 pontos: Originalidade do nome.

30 pontos: Originalidade e qualidade do texto.

10 pontos: Pontos de bônus concedidos à proposta com os maiores votos da enquete pública (aplicável apenas na rodada de julgamento final).

Serão escolhidos 3 semifinalistas, os quais serão submetidos a enquete pública para a escolha final do nome dado a missão.

Premiação:

1º Lugar: Dará o nome à missão e ganhará um Drone ( S32T Sour Sandy) + Medalha + Certificado em nome da GSS.

2º Lugar: Medalha + Certificado em nome da GSS.

3º Lugar: Medalha + Certificado em nome da GSS.

Datas:

20 de abril de 2021: Inicio do envio das propostas.

12 de maio de 2021: Prazo final para o envio das propostas.

15 de maio de 2021: Enquete pública para escolher o finalista entre os três semifinalistas.

19 de maio de 2021: O anúncio do finalista será feito durante a abertura do evento do “Dia do Físico” organizado pela GSS.


LISTA COM OS NOMES DOS SEMIFINALISTAS

Confira o resultado aqui!

Você já pode escolher quem será o vencedor entre um dos semifinalistas, para fazer isto basta clicar em votar!






O helicóptero Ingenuity da NASA sobrevive por conta própria à primeira noite fria de Marte

Uns dos principais desafios de qualquer sonda espacial que vai explorar  a superfície de Marte é passar pelas frias temperaturas de Marte. Esta prova o helicóptero Ingenuity da NASA já passou, ele sobreviveu à primeira noite depois de ser deixado na superfície de Marte pelo rover Perseverance da NASA, o qual  é um marco importante para o pequenos helicóptero.


O helicóptero Ingenuity da NASA pode ser visto em Marte pela câmera traseira do rover Perseverance em 4 de abril de 2021, o 44º dia marciano, ou sol da missão. Créditos: NASA / JPL-Caltech.

  

As temperaturas noturnas na cratera de Jezero podem cair até 130 graus Fahrenheit negativos (90 graus Celsius negativos), o que pode congelar e quebrar componentes elétricos desprotegidos e danificar as baterias a bordo necessárias para o voo. Sobreviver naquela primeira noite depois de ser implantado de onde estava preso à barriga do rover Perseverance da NASA em 3 de abril é um marco importante para o helicóptero de 4 libras (1,8 kg). Nos próximos dias, o Ingenuity será a primeira aeronave a tentar um voo motorizado e controlado em outro planeta.


“Esta é a primeira vez que o Ingenuity está por conta própria na superfície de Marte”, disse MiMi Aung, gerente de projeto do Ingenuity no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia. “Mas agora temos a confirmação de que temos o isolamento certo, os aquecedores certos e energia suficiente em sua bateria para sobreviver à noite fria, o que é uma grande vitória para a equipe. Estamos entusiasmados em continuar a preparar o Ingenuity para seu primeiro teste de voo. ”


Conceber uma nave pequena o suficiente para caber no rover, leve o suficiente para voar na fina atmosfera de Marte, mas resistente o suficiente para suportar o frio marciano apresentou desafios significativos. Para garantir que o painel solar no topo dos rotores do helicóptero pudesse começar a receber luz solar o mais rápido possível, o Perseverance foi instruído a se afastar do Ingenuity logo após implantá-lo.


Até o helicóptero colocar suas quatro pernas na superfície marciana, a Ingenuity permaneceu presa à barriga do rover, recebendo energia do Perseverance, que pousou na cratera de Jezero em 18 de fevereiro. O rover serve como um retransmissor de comunicação entre a Ingenuity e a Terra, e usará seu conjunto de câmeras para observar as características de voo do helicóptero movido a energia solar do “ Van Zyl Overlook ”.


A única missão da Ingenuity, uma demonstração de tecnologia, é realizar testes de voo na fina atmosfera de Marte; o helicóptero não carrega instrumentos científicos. Em 30 dias marcianos, ou sóis (um dia marciano dura 24,6 horas), na superfície, o Ingenuity completará seus testes, e a exploração científica da cratera de Jezero pelo Perseverance entrará em alta velocidade.


Em 4 de abril, o Perseverance fez o downlink das primeiras imagens do helicóptero na superfície de Marte. Tiradas pela câmera traseira esquerda do veículo espacial, usada para evitar riscos, a imagem mostra as pás do rotor do helicóptero ainda alinhadas umas sobre as outras (uma configuração usada para economizar espaço durante a viagem a Marte) e suas quatro patas firmemente plantadas na superfície de Marte.


Nos próximos dois dias, o Ingenuity coletará informações sobre o desempenho dos sistemas de energia e controle térmico, agora que o pequeno helicóptero está sozinho no ambiente de Marte. Essa informação será usada para ajustar o sistema de controle térmico do Ingenuity para ajudá-lo a sobreviver às noites adversas de Marte durante todo o período de experiência de voo.


O helicóptero Ingenuity da NASA pode ser visto em Marte pela câmera traseira do rover Perseverance em 4 de abril de 2021, o 44º dia marciano, ou sol da missão. Créditos: NASA / JPL-Caltech.


Se tudo acontecer conforme esperado com os testes, nos próximos dias acontecerá o primeiro voo do pequeno helicóptero na superfície de Marte. Aqui na Terra continuamos na expectativa e desejando o sucesso da missão. 

Fonte: NASA

A ciência na busca do bem mais valioso que a humanidade possui: Água.

Em tempos de racionamento (de comida, energia, água, etc.), mudanças climáticas bruscas e da busca por dispositivos que possam minimizar possíveis impactos, a ciência resolve colocar-se como alternativa através de mais um grande projeto: o Projeto SPHEREx (“Espectrofotômetro para a História do Universo, Época da Reionização e Explorador de Gelos”). Trata-se de um Telescópio que possui a capacidade de observar o céu inteiro na frequência do infravermelho, usando uma técnica chamada espectroscopia para fracionar a luz do infravermelho próximo em seus comprimentos de onda individuais – ou cores – tal como a decomposição da luz ao passar através de um prisma.

Telescópio SPHEREx (em corte) [Imagem: JPL/Nasa]

Dados de espectroscopia podem revelar do que um objeto é feito, uma vez que os elementos químicos individuais absorvem e irradiam comprimentos de onda específicos de luz. A técnica também pode ser usada para estimar a distância de um objeto da Terra. O projeto SPHEREx possui 3 objetivos principais: buscar indícios da inflação cósmica, estudar a formação das galáxias, e por fim encontrar gelo de água e moléculas orgânicas congeladas – os blocos de construção da vida na Terra – em torno de estrelas recém-formadas em nossa galáxia. Vamos acompanhar mais essa aventura!!!!


Professor que orientou equipe teresinense vencedora do desafio de Satelites na SNCT do MCTI é membro efetivo da GSS

Estudantes do Programa Cidade Olímpica Educacional sobem ao 1° lugar do pódio no desafio de Satélites artificiais do MCTI na categoria Ensino Fundamenal II .

Os alunos do COE trouxeram para Teresina uma premiação inédita e relevante do ponto de vista científico e social.

Fonte: Programa Cidade Olímpica Educacional.

A equipe Cidade Olímpica Educacional liderada pelo professor Edwar Dávila Montenegro que é membro fundador da Graviton Scientific Society, voou alto e conquistou o primeiro lugar geral na modalidade Satélites e Inteligência Artificial – categoria Ensino Fundamental II. O feito se deu durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, evento que aconteceu entre os dias 19 e 23 deste mês e contou com a participação de 114 equipes de todo o Brasil, inscritas nas modalidades: satélites artificiais, Arte Espacial e Aplicação de Satelites.
A equipe liderada pelo professor Edwar, desenvolveu um projeto que propõe o uso de CubeSat’s e uma Inteligência Artificial para gerenciar e processar a base de dados de observações dos satelites com o intuito de localizar queimadas e desmatamento ilegal ao longo do território brasileiro.

O projeto venceu o desafio proposto pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, galgando o primeiro lugar entre todas as equipes do Brasil.
“Esse resultado alcançado por nossa equipe, além de ser um feito inédito, é de suma importância para a Ciência em nossa cidade e no Brasil de modo geral, dada a relevância da temática abordada como também por inserir o segmento jovem de Ensino Fundamental nesse circuito da pesquisa científica” – Pontua Edwar Dávila.


E os resultados conseguidos por alunos de escolas da Prefeitura de Teresina não param por aí, na categoria Arte Espacial, com um Conto de ficção Científica, a equipe de Língua Portuguesa do Programa Cidade Olímpica Educacional, conquistou o 3º lugar. Orientados pelos professores José Orlando e Carlos André, os alunos responderam ao desafio de criar um conto narrando histórias sobre transformações climáticas na cidade e os efeitos dessas transformações.
As equipes participantes da competição destacam o apoio recebido dos professores e colegas durante a jornada – “Sou muito grata pelo apoio do professor Edwar, e estou muito feliz com o resultado”. – destacou Maria Eduarda, integrante da equipe vencedora do desafio.

Texto escrito pelo Prof. Carlos André – Programa Cidade Olímpica Educacional

Fonte: MCTI

À procura do cometa Neowise no céu de Teresina

Uma equipe da Graviton Scientific Society consegue observar com exito o cometa Neowise em 22/07/2020.

CONSTRUÇÃO DA CIÊNCIA A PARTIR DE OBSERVAÇÕES CUIDADOSAS

Contemplar a natureza sempre é um evento ímpar. Presenciar as leis da Física em ação nos faz agradecer o trabalho de pensadores e cientistas ao longo dos séculos.

Aristarco de Samos, astrônomo e matemático grego, por volta do século III a. C., conseguiu determinar o tamanho da Lua a partir da sombra da Terra na Lua, durante um eclipse lunar.

Os físicos Gilson Silva e Francisco Peixoto durante a observação do cometa Neowise. Créditos: Graviton Scientific Society

Tycho Brahe, astrônomo dinamarquês, construiu o melhor observatório da era pré-telescópica e fez diversas observações astronômicas anotando dados em tabelas. Dados estes extremamente precisos para observações sem qualquer instrumento óptico.

Johanes Kepler, matemático alemão, contemporâneo de Tycho Brahe, com uma habilidade matemática fora do comum e a partir das tabelas de Tycho Brahe consegue deduzirt as leis dos movimentos planetários, hoje conhecidas como as Leis de Kepler. Estes são alguns exemplos de como a Ciência é construída ao longo dos séculos.

EQUIPE DA GSS CONSEGUE OBSERVAR O COMETA NEOWISE

Realizamos a observação na tarde do dia 22 de julho. Iniciamos a montagem do telescópio as 17h: 30 min. Em uma região aberta do aeroporto internacional de Teresina sobre prévia autorização da direção do referido aeroporto e seguindo todas as recomendações das autoridades sanitárias e da Organização Mundial De Saúde no que diz respeito à pandemia da Covid 19.


Os físicos Francisco Peixoto e Edward Montenegro durante a observação do cometa Neowise. Créditos: Graviton Scientific Society

Com o propósito de evitar aglomerações, apenas três integrantes de nossa equipe estiveram presentes nesta observação, todos utilizando máscaras e respeitando o distanciamento social e com o telescópio adequadamente higienizado.

No geral tratou-se de uma atividade das mais desafiadoras que temos notícia. A região da cidade de Teresina, nesta época do ano, não dispõe de um céu propício para observação em virtude de queimadas muito frequentes. Tentamos sem sucesso até as 19 horas, algumas nuvens bloqueavam parte da região do céu no qual o cometa estaria passando. Ainda outro fator nos atrapalhou nesta observação foi o fato de o cometa está passando quase que na linha do horizonte e após o horário das 19 horas as luzes da cidade atrapalhavam nossa observação.

Foto do cometa Neowise. A foto foi feita com um Smartphone a partir da ocular de um telescópio de 90 mm
Créditos: Graviton Scientific Society

Mas compreendemos que atividades científicas de fato tem suas características e dificuldades inerentes, que de certa forma estamos acostumados a lidar. Nossa intenção seria conseguir fotos do cometa a partir da lente ocular do telescópio refrator de 90 milímetros de abertura a partir da câmera de um telefone celular de um de nossos integrantes.

Para nossa felicidade conseguimos visualizar o referido cometa por volta das 19:15. No entanto, por seu fraco brilho e por conta da poluição luminosa não conseguimos tirar a foto que desejávamos. Nós até conseguimos uma foto, mas esta não ficou nítida. No entanto, nossa equipe (Gráviton Scientific Society) não desiste assim tão fácil, continuaremos à caça do cometa nos próximos dias, mesmo sabendo que a cada dia a sua visualização ficará cada vez mais difícil, pois o cometa já está em seu caminho de volta, portanto afastando-se cada vez mais do Sol. Continuaremos tentando até o dia 30 de Julho, que é a previsão de visualização do cometa a partir de nosso planeta.

Francisco Peixoto, membro da Gráviton Scientific Society desde sua fundação no ano de 2014 relata acerca da observação do cometa N:

“A Lua estava com muito boa visibilidade e seguindo orientações repassadas pelos outros membros da GSS, após uma certa insistência… Edward (com sua habilidade admirável) conseguiu visualizar, confirmamos eu e Gilson que a imagem correspondia a algo diferente de tudo que já observamos, com cuidado e a configuração certa do celular consegui fotografar. Busquei as fotos que tinha recebido ontem e ao comparar na mesma proporção…. tive certeza que conseguimos, visualizamos e fotografamos o COMETA, desmontamos o esquipamento e ao verificar os comentários de outros que buscavam a observação e fotos, comemoramos nossos esforços foram recompensados!”

A Gráviton Scientific Society compartilha e incentiva trabalhos colaborativos para o progresso da Ciência. Desta forma se constrói o conhecimento científico, tijolinho por tijolinho, geração após geração.

O dia 22 de Julho de 2020 ficará marcado na história de nossa Sociedade Científica pela tentativa, com sucesso, de observar a passagem do cometa Neowise.

Para saber mais detalhes sobre o cometa Neowise leia a matéria produzida em nosso site neste link https://gss1.org/site/?p=1011.

Após estes resultados, finalizamos as observações no horário das 19:40 já ansiosos por futuras observações e ainda aguardando a oportunidade contemplarmos a natureza em seu mais puro esplendor.

REFERÊNCIAS

http://plato.if.usp.br/1-2003/fmt0405d/apostila/helen8/node16.html
https://jornal.usp.br/atualidades/tycho-brahe-revolucionou-a-astronomia-muito-antes-do-telescopio/
https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/Historia/noticia/2020/01/quem-foi-johannes-kepler-um-dos-astronomos-mais-importantes-da-historia.html

O LaTeX e a escrita científica

Escrever um texto/artigo científico requer certos cuidados, pois servirá como ferramenta de comunicação entre cientistas e a sociedade. É importante manter a precisão da informação ao mesmo tempo em que se deve tornar o texto acessível a um público não especializado. Nesse sentido, a escrita de um artigo científico, em particular, deve obedecer a critérios predeterminados pelos periódicos, revistas, anais de eventos, dentre outros, o que exigirá certa “familiaridade” com a formatação do texto em si.

Existem algumas ferramentas de texto (Word, WPS Office) dentre outras, que contemplam a maioria das exigências de edição, no entanto, podem também gerar bastante dor de cabeça devido à limitações inerentes aos softwares. Uma opção a essas dificuldades é o LaTeX (https://www.latex-project.org/). Trata-se de uma poderosa ferramenta para a elaboração de textos, livros, artigos diversos, de alta qualidade, incluindo recursos projetados para a produção de documentação técnica e científica. O LaTeX é o padrão, de fato, para a comunicação e publicação de documentos científicos (cabe lembrar que os periódicos e revistas de impacto relevante disponibilizam regras de edição no LaTeX). Constitui um conjunto de macros para diagramação de textos TeX, utilizado amplamente na produção de textos matemáticos e científicos, devido a sua alta qualidade tipográfica. Além disso, está disponível como software livre, o que é extremamente importante!

Exemplo de texto em TeX (Fonte: Wikipédia)

Para iniciar os trabalhos com o LaTeX,

  1. Acesse MiKTeX e baixe o instalador adequado ao sistema utilizado;
  2. Instale o MiKTeX;
  3. Acesse TeXstudio e baixe o instalador do editor TeXstudio;
  4. Instale o TeXstudio.

É muito fácil encontrar materiais voltados ao trabalho com o LaTeX. Os links a seguir trazem alguns tutoriais para melhor compreensão. Boa leitura!
https://www.latex-project.org/
https://www.latex-tutorial.com/tutorials/
https://www.telecom.uff.br/pet/petws/downloads/apostilas/LaTeX.pdf
http://www.docs.is.ed.ac.uk/skills/documents/3722/3722-2014.pdf
http://www.ufscar.br/jcfogo/Latex/MC_Tex_2014.pdf


Por Jussiê Soares

GRAVITON MARCA PRESENÇA NO XXII ENAST

Créditos: XXII ENAST

Os Encontros Nacionais de Astronomia, ENASTs, reúnem astrônomos profissionais, amadores, entusiastas, estudantes e educadores com o objetivo de compartilhar experiências e pesquisas para o desenvolvimento e difusão da Astronomia no Brasil. São realizados anualmente desde 1998, e organizados por comissões locais compostas por grupos e associações de astrônomos com o apoio de um conselho nacional, e realizados sempre no mês de novembro de cada ano, preferencialmente, aproveitando os feriados. Nos eventos, são apresentadas palestras de pesquisadores renomados, trabalhos acadêmicos, oficinas, minicursos, exposições de pôsteres, astrofotografias, instrumentos, observações com auxílio de telescópios, lunetas, etc., apresentações artísticas, dentre outros.

Os ENASTs constituem eventos que despertam também grande interesse do público e dos meios de comunicação local. Visando o apoio a eventos desse porte, bem como a projeção e divulgação do grupo e da Astronomia, o grupo Graviton Scientific Society (GSS) participou da 22ª edição do ENAST na cidade de Sobral, estado do Ceará, entre os dias 14 e 17 de novembro. Na oportunidade foram apresentados trabalhos, como o “Observatório Intinerante“, desenvolvido pelo professor Jussiê Soares (membro do grupo e professor do IFMA Campus Coelho Neto), em conjunto com seu aluno de Iniciação Científica, Rodrigo Pereira, à época financiados pela FAPEPI (http://www.fapepi.pi.gov.br/), bem como desenvolvidos minicursos, como o intitulado “O USO DE CUBOS MESCLADOS COM HOLOGRAMAS E REALIDADE AUMENTADA COMO PROPOSTA INTERDISCIPLINAR“, ministrado pelos membros Edwar Davila Montenegro, Francisca Regina Ibiapina Costa, Maria do Desterro Silva Barbosa (Graviton Scientific Society / Programa Cidade Olímpica Educacional) – PI e outro intitulado “CRIANDO PEQUENAS ANIMAÇÕES DO SISTEMA SOLAR COM O SCRATCH“, ministrado pelos membros Edwar Davila Montenegro, Mailson Barroso, Francisco Peixoto da Mota Neto, Gilson Alves da Silva. De fato, o GSS comprovou a integração dos diversos apoiadores dessa ciência, e o esforço para que a Astronomia ganhe cada vez mais adeptos.

Apresentação de pôster (Professor Jussiê Soares)

NOTA: Para o ano de 2020, o ENAST sofreu alterações, em virtude da pandemia de Covid-19 e das medidas de distanciamento social. Seria sediado na Fundação CEU na Cidade de Brotas/SP, no mês de Novembro. A Fundação CEU afirmou que a nova data será definida, assim que as atividades presenciais puderem ser retomadas, e divulgada logo que possível, nesta ocasião, realizarão uma ampla divulgação.

GRAVITON MARCA PRESENÇA NA OBSERVAÇÃO DO ECLIPSE PARCIAL DA LUA

O GRAVITON SCIENTIFIC SOCIETY – GSS, marcou presença no último eclipse lunar parcial, ocorrido no dia 16 de julho de 2019. As observações ocorreram no Parque da Cidadania, em Teresina, Piauí, com a presença de alguns dos membros do GSS (Edwar, Gilson, Peixoto, Jussiê, dentre outros), além de professores do projeto Cidade Olímpica, bem como do Professor Alberto, do Observatório Nacional. Foi maciça a presença da população, em mais uma ação do GSS, no sentido de difundir e popularizar a ciência.

ECLIPSE PARCIAL DA LUA – FOTO: g1.com

Os quatro projetos de satélites da cidade de Teresina, selecionados na OBSAT, tem como orientador um sócio efetivo da GSS.

As equipes Programa Cidade Olímpica Educacional, Programa Cidade Olímpica Educacional 2, Sinfonia Cósmica e Missão The X sob orientação do professor Edwar Dávila Montenegro, tiveram seus projetos aprovados e selecionados para receber gratuitamente um kit de montagem de um CubeSat e dois Sansat do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação do governo federal (MCTI). Sendo que a Equipe Programa Cidade Olímpica Educacional já recebeu o Kit como premiação de ter ocupado o primeiro lugar nacional no desafio de Sátelites e Inteligência artificial na 17ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia- 2020 do MCTI.

Continue lendo

A GSS será a principal instituição responsável pelo desenvolvimento da Primeira Missão Piauiense à Estratosfera.

Mantendo a tradição e os motivos para o qual foi criada, a GSS apresenta a “Primeira Missão Piauiense à Estratosfera”. Trata-se, portanto, do primeiro projeto de desenvolvimento de uma sonda espacial do Piauí.

Continue lendo

AMAZÔNIA NO ESPAÇO

Satélite Tupiniquim, o Amazonia 1 será o primeiro satélite projetado e desenvolvido com tecnologia nacional. À bordo do avião B777 da Emirates, decolou às 11h48 minutos desta terça-feira (22), do aeroporto internacional de São José dos Campos (SP). Ao todo foram necessários 52 containers especiais para transportar com segurança os módulos do satélite, que pesa 638 kg e que seguirá para o destino final em Sriharikota, na Índia. Presente na coletiva realizada antes da decolagem, o diretor do INPE, Clezio de Nardin, fez questão de ressaltar que o projeto nacional beneficiará a indústria local. “Um satélite projetado e desenvolvido com tecnologia nacional, um desafio para a indústria nacional especialmente da nossa região, em São José dos Campos (SP), que abriga o polo aéreo espacial”, afirmou Nardin. O presidente da Agência Espacial Brasileira, Carlos Moura, ressaltou que o desenvolvimento do satélite …

Continue lendo

“Congestionamento” em Marte? Saiba mais sobre as missões em curso até o planeta vermelho.

É comum notarmos no dia a dia das grandes cidades (mesmo em plena pandemia de covid19) alguns pontos de maior movimento de veículos, que, em alguns casos, formam os “congestionamentos”. Pois bem, isso não é novidade para nós, meros terráqueos, levando-se em conta a gigantesca quantidade de veículos e seres presentes no planeta. E se dissesse a você, caro leitor, que ao longo desse ano, teremos um “congestionamento” no planeta Marte, você acreditaria? É isso. Por ser um planeta que impõe certa dificuldade à sua visitação, fato comprovado pelas diversas tentativas frustradas de pouso ou mesmo de se colocar alguma sonda orbitando o planeta vermelho, a iminência da chegada de algumas missões trará um relativo congestionamento de pesquisas e ideias para a exploração desse magnífico planeta. Aqui daremos destaque às missões Mars 2020, Hope Mars e Tianwen-1, lançadas ainda no …

Continue lendo